Posts Tagged ‘obesidade’

h1

PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO DR HENRI BISCHOFF

janeiro 5, 2012

Obesidade

Dr Henri Bischoff

Obesidade é definida pela OMS como uma doença caracterizada pelo excesso de calorias. Apesar de originada por diversas causas, na maioria das vezes, mesma é fruto daquela ansiedade que nos ataca mais no final da tarde ou no inicio da noite quando chegamos à casa cansados do trabalho e beliscamos pão, torradas, bolachas, pizzas, lanches com farinha ou doces…

Essa ansiedade não nos ataca pela manhã, é sempre á noite. E sempre engordamos na nossa casa, nunca no trabalho, em festas ou em casas de parentes, amigos ou restaurantes. Sempre nos ensinaram que o que nos engordavam eram as gorduras, portanto, evitamos as gorduras e não as comíamos, preferindo sempre os grelhados, mas sem resultados e sempre damos preferência aos pães pretos ou lights, sem resultado também. Torradas também não funcionam…

Nunca nos disseram que o que realmente nos engordava eram as farinhas que comíamos ao chegar a casa á noite, sejam elas de pão branco, preto, massa, pizza, torta, pastéis, risóles, salgadinhos, xis, MC Donald, bolachas, biscoitos, etc…

Esses hábitos nos levam a engordar e essa gordura fica “gravada” na memória metabólica do organismo durante 2 anos no mínimo. Por isso, de nada adianta fazermos um regime para emagrecer e atingir o peso ideal em curto espaço de tempo se, depois de atingirmos a meta, pararmos de nos cuidarmos, pois, nosso organismo, que teve gravado dentro dele o peso de obeso, vai fazer de tudo para recuperar o peso perdido em menos de 2 anos após uma dieta. Daí o velho ditado popular: “Parou o remédio de emagrecer: Engordou o dobro…” E é mais ou menos assim, se utilizarmos uma medicação para emagrecer, quando ficamos magros NÃO PODEMOS PARAR O REMEDIO, mas sim, trocá-lo pelo estabilizador o qual será mantido durante 2 anos para que nosso organismo “apague” aquela memória do peso de obeso e troque pela memória do peso de magro. Portanto a chave do sucesso de manter-se magro a longo prazo é manter o tratamento iniciado durante 2 anos no mínimo após ter atingido o peso ideal.

Dois anos é o tempo que o organismo leva para acostumar-se a ficar magro novamente, portanto, você tem que manter seu tratamento por todo esse período.

Reeducação Alimentar

Reeducação alimentar não significa ficar contando calorias o dia todo ou fazendo dietas exóticas ou pouco práticas. Reeducação alimentar significa não fazer as nossas vontades de obesos e sim nossas necessidades.

Sabemos que todo obeso não gosta muito de comer pela manhã, gosta de comer uma saladinha e um bifinho no almoço e, quando chega a casa, toma café com pão á noite ou se enche de lanches. Ora, para emagrecer você deverá inverter tudo isso: comer como um rei/rainha de manhã, príncipe ou princesa no almoço e como um mendigo á noite. Café com pão só de manhã. Arroz, feijão, massa, no almoço… Á tarde frutas e á noite bife com saladas, frango com verduras, shakes, batidas de frutas, sopas, saladas de frutas com iogurtes lights. Não se iluda com pão preto: Depois do almoço nenhum tipo de pão, nem torradas, nem pão light… Nada de farinhas! OK? Use sua imaginação: Podem ser ingeridos: Queijos gordurosos, embutidos, carnes preparadas de todas as formas (inclusive frita), ovos fritos, etc…

Dieta

Até o almoço você pode comer livremente o que quiser inclusive doce, mas após o almoço é fundamental, não cometer “Gafs” (grãos, açúcar e farinha), ou seja, não pode trocar o pão branco por preto light ou torrada, OK?

Á tarde coma frutas livremente, em qualquer quantidade, e, á noite siga as instruções:

1ª Semana: Limpeza do intestino

Em um prato raso coloque num canto do prato 4 fatias em meia lua de mamão, no outro canto do prato + 4 fatias em meia lua de melão no outro canto + 4 fatias de maçã e no outro canto moranguinhos cortados em rodelas. No centro do prato coloque rodelas de banana e 3 ou 4 ameixas pretas. Por cima dessas frutas, acrescente iogurte natural ou de frutas light. Por cima do iogurte coloque nozes picadas, uvas passas claras e amendoim moído. Por cima disso tudo acrescente granola ou aveia em flocos da sua preferência. Coma com suco de laranja light ou refrigerante light durante toda a semana.

2ª Semana

Faça um sopão de moranga, cenoura, salsão, cebolinha, cebolas, ervilhas, brócolis e todos os legumes que você quiser. Acrescente na sopa frango ou carne com osso. Faça para a semana toda e guarde na geladeira. Tome á vontade á noite temperada com tempero verde, queijo ralado e pimenta vermelha se você gostar. Tome refrigerante light.

3ª Semana

Faça batidas (vitaminas de frutas) com todos os tipos de frutas com leite desnatado ou natural se você não tiver o desnatado. Exemplos: Batida de mamão com banana. Moranguinhos, abacate (pode tomar não engorda), manga, maçã com banana, pêssego, goiaba, uva, etc… Tome até 2 copos.

4ª Semana

Compre um shake da sua preferência do sabor que você quiser (chocolate, morango, baunilha, etc) e tome com leite a semana toda ate 2 copos.

5ª Semana

Coma carnes com saladas á vontade, (bife, frangos, peixe, churrasco) frito, cozido, assado, grelhado, etc, ou faça uma variação das 4 semanas anteriores para não enjoar. Pode-se fazer omeletes, tábua de queijos com presunto, salaminhos, palmitos e azeitonas. Use sua imaginação. Mas não use farinhas, grãos e açúcar. (única exceção é a granola ou aveia em flocos nas frutas). Se você tiver que ir numa festa dê preferência ás saladas com carnes.

  • · Pecados: Se você cometer pecados: Exemplo: Foi numa pizzaria, ou bebeu muito álcool na noite anterior; o que fazer? Faça uma desintoxicação no dia seguinte: passe o dia todo com o prato de frutas com iogurte e granola da 1ª semana tanto no almoço como na janta que você vai desintoxicar ligeirinho. Procure caminhar nesse dia para suar bastante e botar para fora todo álcool ou a pizza que você comeu.

– Se você caminhar ou fazer exercícios durante 1 hora, nessas 4 semanas iniciais, você poderá perder de 4 a 6 quilos iniciais.

– Não cometa Gafs depois do almoço…

Exercícios

É fundamental reservar um tempo para o exercício como parte da mudança de hábito de vida. Muita gente trabalha o dia todo e estuda á noite. Ou chega a casa e tem que se dedicar à família. Não tem tempo… Mas é por isso mesmo que está obeso! Ou aceita a obesidade como resultado dessa vida agitada ou enfrenta o problema de frente. Temos que readequar o problema. Abílio Diniz, empresário da maior rede de supermercados do Brasil acorda às 4 horas da manhã, às 5 horas, está na sua piscina nadando. No meio dia faz musculação e depois encontra tempo para trabalhar e dedicar-se a sua família. Não adianta… Você tem que se decidir: Precisa fazer exercícios! Pouca gente gosta, mas faz… Você só precisa planejar-se. Não precisa fazer o que todo mundo faz. Ir para academias, só por que todo mundo vai, muitas vezes, é uma imposição da sociedade e faz você se sentir constrangido. Mas se você gosta de academias, por favor, vá correndo! Se você não gosta, faça aquilo que você fazia na sua infância: Andar de bicicleta, correr, pular corda, enfim; descubra algo prazeroso para ajudar a incorporar os exercícios no seu novo hábito de vida.

Aqui vai uma dica que ajuda em muito a conciliar nossos afazeres cotidianos ao hábito de fazer exercícios: Cultive o hábito de ler enquanto faz esteira. Você não imagina o quanto isso lhe dá prazer. Dá mais prazer do que olhar televisão na frente da esteira, pois a leitura é um hábito mais culto e, sempre temos um livro, uma revista, um trabalho, um jornal ou um artigo que temos que ler, mas, ás vezes, não temos tempo, por isso, reserve esse tempo à leitura enquanto faz esteira e você vai se surpreender do quanto o tempo vai passar rapidamente e do quanto vai render a sua leitura e o seu exercício.

Sociedade

Um dos maiores erros dos obesos é dizer para a sociedade que ela está de dieta. Pois, a obesidade é uma doença discriminada pela sociedade, e, se o obeso toma a decisão de fazer alguma coisa a respeito (no caso a dieta) continua a ser inadequado á sociedade recusando isso ou aquilo que lhe é oferecido. Vai às festas e jantares e nada pode comer se tornando uma pessoa diferente (mais uma vez) das demais.

Portanto, ao receber um convite de uma festa, um casamento, um jantar; esqueça por hora que esta de dieta e coma livremente o que lhe for oferecido, mas com moderação (não esqueça de tomar sua medicação antes de sair para a festa), com isso, as pessoas ficarão satisfeitas com você e não perceberão que esta de dieta deixando-a livremente com seu “segredo”, pois você deverá manter sua meta por 2 anos. No outro dia, após a festa, passe o dia todo só á frutas para desintoxicar e o excesso não terá influência sobre o peso. Outro aspecto importante para seu ego nisso tudo é que a sua vida de magro tem que ser melhor que a sua vida de obeso, sem repressões, pois se você privar-se de tudo e de todos não vai agüentar muito tempo, não. Será uma panela de pressão que irá explodir em pouco tempo. Será como uma panela de pressão prestes a explodir. ““ Obeso adora “chutar o balde” e mandar tudo para o espaço só para ter a desculpa que sua vida estava um horror com aquela dieta horrível…

Medicação

Acredite no seu medico e no ministério da saúde: Se qualquer remédio é nocivo á saúde brasileira, o mesmo tem a licença cassada pelo ministério da saúde no ato, não necessitando reportagens em serie com interesses suspeitos, quando se sabe que a indústria da obesidade fatura 4 bilhões de dólares por ano somente no Brasil e, o mínimo vai para multifuncionais. A quase totalidade desse valor permanece no Brasil, pois o mesmo é produzido em farmácias de manipulação brasileiras gerando empregos e impostos vê-se um grande interesse em destruir a imagem da medicação de emagrecer. É claro que o abuso, e não o uso (como está no rótulo do remédio) faz mal a saúde, assim como qualquer outra medicação que abusarmos, até mesmo aspirina, se abusarmos e ingerimos 10 aspirinas de uma vez só.

A medicação faz parte de um tripé de tratamento: DIETA EXERCÍCIOS E MEDICAÇÕES. Os problemas ocorrem, muitas vezes, quando a pessoa não observa esse tripé e passa a usar só a medicação esperando tudo do remédio. Não se alimenta, não faz exercícios, fica com o corpo fraco e passa a ficar tonta, sobre desmaios, dor-de-cabeça, tremores, falta de memória, depressões, etc… Tudo sintomas de falta de alimentação… A família se assusta, leva a pessoa no hospital o médico plantonista presta atendimento e sem o conhecimento de causa põe a culpa na medicação e não no paciente, com isso, a medicação vai ganhando a má fama de “causar mal”…

A medicação não tira efeito de anticoncepcionais ou de outros medicamentos que porventura o paciente esteja tomando. A única recomendação: Se você necessitar tomar antibiótico (ou se sentir febre) interrompa o uso do remédio de emagrecer até terminar o antibiótico.

Bebidas alcoólicas devem ser tomadas em horários distantes da medicação de emagrecer (no mínimo 6 horas depois). Melhor seria não ingerir álcool, pois esse contém muitas calorias.

Sempre são realizados exames ao longo do tratamento, muitas vezes não no início do tratamento, pois você recentemente realizou e seria desnecessário realizar novamente, mas, ao longo do tratamento, são realizados periodicamente todos os exames para a sua segurança e de sua família para garantir que a sua medicação não esta lhe prejudicando e que, ao contrário, a medicação melhora a cada vez mais o seu perfil de colesterol, triglicérides, hematócrito, glicose, pressão arterial, acido úrico, etc. Ou seja, você ganha saúde tomando medicação e não ao contrário.

Resistência

Se, ao longo do tratamento de emagrecimento seu organismo “travar”, ou seja, mesmo com todas as manobras honestas ele não perde peso, é sinal que ele adquiriu resistência ao tratamento e está necessitando de um “choque metabólico”. Por isso de tempos em tempos costumamos colocar nossos pacientes na “UTI DO GORDO” (no final deste folheto) durante 7 dias. Seu objetivo é readequar seu organismo para a perda de peso novamente. Por isso, cada vez que você sentir que está perdendo peso, “interne-se” imediatamente na UTI do gordo durante 7 dias ou mais até voltar a perder peso.

Manutenção

Manutenção é a etapa na qual a pessoa atingiu o peso pretendido. Daí em diante ela tem a missão de manter-se nesse peso durante 2 anos, no mínimo. Esse período de 2 anos é para dar tempo ao organismo adaptar-se ao novo sistema de funcionamento com o novo peso. Ele precisa “esquecer” o peso antigo e “gravar” o peso novo. Esse processo leva, em média, 2 anos. É fundamental saber que essa etapa é TOTALMENTE MEDICAMENTOSA! Não interrompa o medicamento!

As pessoas teimam em parar o medicamento nessa fase achando que não precisavam que conseguem fazer o tratamento por vontade própria e ai acontecem os maiores desastres. Simplesmente voltam a engordar com força total, pois o organismo recupera o peso perdido rapidamente. Não estamos brincando, a obesidade é uma doença, epidemia mundial, muito mais forte do que nós e só será debelada mediante ajuda de remédios. Não se iluda com a mídia e propaganda enganosas falando todo o tipo de reportagens espalhando pânico nas pessoas a respeito das medicações de emagrecer, que essas prejudicam o organismo e tudo mais…

Você chegou até aqui no programa, após outras tentativas frustradas de emagrecimento, nos dê uma chance de ajudarmos você nessa fase que é a fase mais delicada do tratamento.

Somos seres humanos falíveis, portanto, não podemos enfrentar a obesidade, que é uma doença muito mais poderosa do que nós, só com a nossa força de vontade, pois, se o mundo inteiro está ficando obeso justamente VOCÊ será diferente das pessoas que irá conseguir enfrentar sozinho sem ajuda de remédios?

Será que VOCÊ é a exceção a regra. Não, as estatísticas mostram que suas chances são mínimas. Portanto, se você não quiser ser mais um que voltou a engordar siga seu tratamento daqui pra frente durante 2 anos com a ajuda de medicação.

È claro que seu médico vai lhe informar que sua medicação nessa fase é bem mais light, muito mais fácil de ser usada e as consultas serão mais espaçadas. Mas, o mais importante, nessa fase é saber que você tem que seguir dois anos em frente com a ajuda de medicação.

Nessa fase a integração social é mais ampla, você pode fazer alguns excessos a mais sempre socialmente, mas, em casa (onde a gente engorda realmente) desintoxique no dia seguinte e siga se cuidando. Não se descuide do exercício, pois se você der vazão ao desânimo e parar, fica muito difícil recomeçar.

Não pare! Siga em frente.

E, uma recomendação final: Estando magro lembre-se dessa frase como máxima de humildade: “Eu estou magro, mas eu sou um obeso”.

h1

BATE PAPO SOBRE OBESIDADE

novembro 3, 2008

Abaixo transcrevo entrevista minha concedida ao site cuidando do corpo de Brasilia-DF o qual obteve bastante repercursão:

Dando continuidade a semana da obesidade, o Cuidando do Corpo entrevista o Médico Henri Fernando Bischoff, anestesiologista com aperfeiçoamento em obesidade e Medicina Estética em Barcelona e atende em seu consultório situado na cidade de Santa Catarina – RS

Cuidando do Corpo: Há quanto tempo trabalha com o tratamento da obesidade?

Dr. Henri: Trabalho com obesidade há 15 anos, desde outubro de 1993.

Cuidando do Corpo: O que a medicina tem a dizer sobre a obesidade?

Dr. Henri: A obesidade é uma doença reconhecida pela OMS – Organização Mundial de Saúde – caracterizada pelo acúmulo excessivo de tecido gorduroso no indivíduo. Ela é caracterizada por uma ansiedade que desencadeia o comer compulsivo. Esta ansiedade acomete a pessoa, principalmente, à noite. O alimento é, preferencialmente, carboidratos derivados das farinhas ou doces.

A obesidade é a mais comum das desordens nutricionais nos Estados Unidos, e custa mais de cem bilhões de dólares americanos, por ano, em despesas médicas relacionadas.

Estima-se que aproximadamente 60% dos americanos adultos estão com sobrepeso e/ou obesidade. Aproximadamente 60% dos homens e 51% das mulheres nos Estados Unidos têm sobrepeso ou já estão obesos. Ao interpretar esses dados, contudo, é importante lembrar que há uma relação inversa entre o estado socioeconômico e a obesidade, especialmente entre as mulheres.

Cuidando do Corpo: Quais os fatores que causam a obesidade?

Dr. Henri: Uma porção significativa da variação de peso é genética. Menos de 1% dos pacientes obesos tem uma doença subjacente que possa explicar sua obesidade. As endocrinopatias são as causas secundárias mais comuns de obesidade, dentro desse universo de um por cento. Noventa e nove por cento dos pacientes obesos não têm sua causa nas endocrinopatias (Cécil 2005).

Faz-se necessário uma devida compreensão das contribuições do decréscimo da atividade física relacionada com o trabalho, do decréscimo das atividades da vida diária e do aumento do comportamento sedentário e dos transtornos alimentares caracterizados por padrões anormais de alimentação e atitudes erradas sobre a importância do corpo e do peso, para ajudar o médico a interagir com o paciente para descobrir padrões que possam relacionar-se com o aumento de peso.

Existem mudanças nos ambientes ocidentais que estão conspirando para expor as tendências de obesidade nas pessoas com suscetibilidade constitucional ou genética favorável. Médicos pesquisadores que estejam atentos para estes fatores ambientais são mais eficientes em ajudar seus pacientes obesos a identificar quais desses fatores ambientais estão contribuindo mais para o problema e a desenvolver programas com maior possibilidade de sucesso.

Os transtornos alimentares fazem parte de um grupo de transtornos psiquiátricos caracterizados por padrões anormais da alimentação e atitudes erradas sobre a importância do peso e do corpo, especificamente, a avaliação da auto-estima com base no peso. Os mais comuns e mais definidos transtornos alimentares citados na literatura médica são a anorexia e a bulimia nervosa .

A característica de anorexia nervosa é a busca de emagrecimento mesmo diante de extrema magreza. A definição de bulimia nervosa é um ciclo de compulsão alimentar seguido de comportamento compensatório e inadequado para evitar ganhar peso ( p.ex., vômito auto-induzido, uso indevido de laxantes e diuréticos, jejum, excesso de exercícios) e exagerada preocupação com o peso corporal.

No modelo tradicional, apenas a bulimia e a anorexia nervosa são tratadas como desordens psiquiátricas propriamente ditas, recebendo tratamento e acompanhamento de profissional médico especializado na área psiquiátrica, ao passo que os demais pacientes que apresentam obesidade, inclusive obesidade mórbida, tem seu tratamento encaminhado ao médico endocrinologista, mesmo sabendo-se que a literatura aponta o envolvimento das endocrinopatias em menos de 1% como doença subjacente que possa explicar sua obesidade.

Observando-se os quadros de obesidade que não se encaixam nos padrões de anorexia e bulimia nervosa, nota-se variantes de transtornos do comer compulsivo que são tratados no modelo tradicional como desordem nutricional e está baseada em abordagem através de dietas, atividades físicas, modificação de comportamento, farmacoterapia ou cirurgia bariátrica (Cécil 2005).

Nota-se que há uma tendência histórica em “destinar” os cuidados da obesidade aos domínios da endocrinologia, mesmo à luz dos conhecimentos atuais em saber que seus conhecimentos não abrangem mais do que um por cento da fisiopatologia da obesidade. Não caberia aqui nessa entrevista discorrermos sobre todas as origens que levaram a endocrinologia ser o campo do saber médico destinado a tratar obesidade até os tempos atuais, o que se sabe é que se acreditava, no princípio, tratar-se de um distúrbio glandular.

Se você tiver alguma dúvida, sobre essa matéria, entre em contato conosco pelo nosso e-mail (blogcuidandodocorpo@gmail.com), ou use nosso campo de comentários.

Na parte II o Dr. Henri irá falar sobre os tratamentos para a obesidade.

Na segunda parte da entrevista com o Dr. Henri, que é anestesiologista com aperfeiçoamento em obesidade e Medicina Estética em Barcelona e atende em seu consultório situado na cidade de Santa Catarina – RS, ele fala ao Cuidando do Corpo sobre os tratamentos para a obesidade.

Cuidando do Corpo: Qual o tratamento para a obesidade?

Dr. Henri:
Fica difícil falarmos em um tratamento específico para a obesidade, mas sim, em enfoques múltiplos de tratamentos que deverão ser individualizados caso a caso.

O principal objetivo do tratamento do paciente obeso é a aceitação do problema. Aceitar que o seu estilo de vida é que está lhe engordando. O paciente nega seu próprio corpo, não se aceita gordo e com isso, não aceita a sua realidade e passa a viver num mundo de sonhos, esperando uma solução mágica para seus problemas: Desde que essa solução não interfira no seu estilo de vida.

Precisamos focalizar mais o controle da compulsão alimentar e o equilíbrio das vontades e necessidades do paciente do que somente emagrecer; caso contrário, ao emagrecer o paciente tem a sensação de objetivo cumprido e abandona o tratamento voltando a engordar.

É necessário informar ao paciente que a obesidade é uma doença lenta, progressiva e incurável, sendo imperativo um tratamento para a prevenção da recaída na etapa da manutenção do peso.

O tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar composta por médico, psicólogo, enfermeiro, nutricionista, esteticista, assistente social e personal trainer. Um aspecto fundamental que deve ser enfatizado é a necessidade desse paciente participar de um grupo de mútua ajuda para obesos onde ele vai compartilhar suas experiências, forças e esperanças a fim de ajudar a si e a outros obesos a se libertarem das angústias do comer compulsivo.

Esse enfoque de tratamento é chamado de “Compreensive Treatment Program”- Programa de Tratamento Abrangente, onde vários profissionais atuam no mesmo paciente com o mesmo objetivo.

O primeiro passo do tratamento é o desejo sincero do paciente de livrar-se do comer compulsivo, o que exige honestidade rigorosa, mente aberta e boa vontade. O obeso necessita aceitar que o seu modo de vida tem que ser modificado. O paciente deve ser estimulado a não fazer promessas irreais (nunca mais irá engordar) e focalizar objetivos simples e atingi-los. “Não irei dar vazão à minha compulsão e irei me controlar somente hoje”.

Um plano simples e fácil de ser atingido é o de estabelecer duas metas para hoje: caminhar e jantar. Caminhando hoje, mesmo sem vontade, o paciente começa a colocar o programa em prática. E, ao jantar, ao invés de lanchar o paciente realiza o ritual de sentar-se à mesa e fica com a sensação de não ter que pensar mais em comida ( o que não ocorre quando ele lancha). O ato de jantar influencia o paciente a não beliscar, e, assim, não dá vazão à compulsão.

Os pacientes que com mais facilidade se mantém magros são aqueles que perderam grandes quantidades de peso ( 20 kg ou mais), pois foram os que mais sofreram com as angústias da obesidade e observaram uma melhora do seu estilo de vida mais significativa.

Os pacientes que perdem até 6 kg, aproximadamente, apresentam mais recaídas de comportamento, pois, estão ainda na fase inicial da doença e a negação do problema é maior. Suas vidas não foram afetadas de forma tão dramática pela obesidade como para os grandes obesos, não sofreram bastante a ponto de desejarem sinceramente mudar de vida.

Esses hábitos nos levam a engordar e essa gordura fica “gravada” na memória metabólica do organismo durante 2 anos no mínimo. Por isso, de nada adianta fazermos um regime para emagrecer e atingir o peso ideal em curto espaço de tempo se, depois de atingirmos a meta, pararmos de nos cuidarmos, pois, nosso organismo, que teve gravado dentro dele o peso de obeso, vai fazer de tudo para recuperar o peso perdido em menos de 2 anos após uma dieta.

Daí o velho ditado popular: “Parou o remédio de emagrecer: Engordou o dobro…” E é mais ou menos assim, se utilizarmos uma medicação para emagrecer, quando ficamos magros NÃO PODEMOS PARAR O REMEDIO, mas sim, trocá-lo pelo estabilizador o qual será mantido durante 2 anos para que nosso organismo “apague” aquela memória do peso de obeso e troque pela memória do peso de magro. Portanto a chave do sucesso de manter-se magro a longo prazo é manter o tratamento iniciado durante 2 anos no mínimo após ter atingido o peso ideal.

Dois anos é o tempo que o organismo leva para acostumar-se a ficar magro novamente, portanto, você tem que manter seu tratamento por todo esse período.

Cuidando do Corpo: Qual o tratamento mais eficiente?

Dr. Henri: Aceitação do problema, desejo sincero de querer se tratar e ter consciência que esse tratamento deverá ser para o resto da vida.

Cuidando do Corpo: Quando há a necessidade de um tratamento medicamentoso?

Dr. Henri:
Acredite no seu médico e no ministério da saúde: Se qualquer remédio é nocivo á saúde brasileira, o mesmo tem a licença cassada pelo ministério da saúde no ato, não necessitando reportagens em série com interesses suspeitos, quando se sabe que a indústria da obesidade fatura 4 bilhões de dólares por ano somente no Brasil e, o mínimo vai para multifuncionais.

A quase totalidade desse valor permanece no Brasil, pois o mesmo é produzido em farmácias de manipulação brasileiras gerando empregos e impostos vê-se um grande interesse em destruir a imagem da medicação de emagrecer. É claro que o abuso, e não o uso (como está no rótulo do remédio) faz mal a saúde, assim como qualquer outra medicação que abusarmos, até mesmo aspirina, se abusarmos e ingerimos 10 aspirinas de uma vez só.

A medicação faz parte de um tripé de tratamento: DIETA EXERCÍCIOS E MEDICAÇÕES. Os problemas ocorrem, muitas vezes, quando a pessoa não observa esse tripé e passa a usar só a medicação esperando tudo do remédio. Não se alimenta, não faz exercícios, fica com o corpo fraco e passa a ficar tonta, sobre desmaios, dor-de-cabeça, tremores, falta de memória, depressões, etc… Tudo sintomas de falta de alimentação…

A família se assusta, leva a pessoa no hospital o médico plantonista presta atendimento e sem o conhecimento de causa põe a culpa na medicação e não no paciente, com isso, a medicação vai ganhando a má fama de “causar mal”…Sempre são realizados exames ao longo do tratamento.

São realizados periodicamente todos os exames para a sua segurança e de sua família para garantir que a sua medicação não esta lhe prejudicando e que, ao contrário, a medicação melhora a cada vez mais o seu perfil de colesterol, triglicérides, hematócrito, glicose, pressão arterial, acido úrico, etc. Ou seja, você ganha saúde tomando medicação e não ao contrário.
É A OBESIDADE QUE MATA E NÃO A SUA MEDICAÇÃO!

Se você tiver alguma dúvida, sobre essa matéria, entre em contato conosco pelo nosso e-mail (blogcuidandodocorpo@gmail.com), ou use nosso campo de comentários.

Na parte III o Dr. Henri irá falar sobre os resultados e a contra-indicação do tratamento para a obesidade, por que as pessoas voltam a engordar depois do tratamento e a importância do exercicios físico no tratamento.

Na terceira e última parte da entrevista com o *Dr. Henri, CRM: 6284- SC, que é anestesiologista com aperfeiçoamento em obesidade e Medicina Estética em Barcelona e atende em seu consultório situado na cidade de Santa Catarina – RS, ele fala ao Cuidando do Corpo sobre s resultados e a contra-indicação do tratamento para a obesidade, por que as pessoas voltam a engordar depois do tratamento e a importância do exercícios físico no tratamento.

Cuidando do Corpo: Quanto tempo é preciso para se ter um resultado satisfatório no tratamento?

Dr. Henri: Os resultados devem ser notados já na primeira semana de tratamento, pois o paciente irá urinar bastante nessa fase devido à sua retenção líquida. Logo, é de esperar perdas de peso significativas, principalmente nos primeiros 15 dias de tratamento. Se isso não ocorrer, você deve procurara seu médico.

Cuidando do Corpo: Há alguma contra-indicação para o paciente no tratamento medicamentoso contra a obesidade?

Dr. Henri:
A medicação não tira efeito de anticoncepcionais ou de outros medicamentos que porventura o paciente esteja tomando. A única recomendação: Se você necessitar tomar antibiótico (ou se sentir febre) interrompa o uso do remédio de emagrecer até terminar o antibiótico.
Bebidas alcoólicas devem ser tomadas em horários distantes da medicação de emagrecer (no mínimo 6 horas depois). Melhor seria não ingerir álcool, pois esse contém muitas calorias.

Cuidando do Corpo: Por que as pessoas voltam a engordar depois de fazer regime ou um tratamento contra a obesidade?

Dr. Henri:
Após um período breve de alguns meses em emagrecimento o paciente obeso, agora magro, começa a viver uma nova realidade e, se não for trabalhada uma terapia comportamental, começa lentamente um processo de desânimo. Forças contrárias ao tratamento passam a ser valorizadas pelo paciente nessa fase. Exemplos disso são comentários negativos da família, pressão dos amigos, férias de verão, festas, distância geográfica do médico, problemas financeiros, excesso de trabalho, etc. O paciente acha que pode se cuidar sozinho, mas, sem perceber começa a abandonar o médico, depois as caminhadas e por fim a própria dieta. Aquele período pequeno em que ele, sem tratamento, mantém seu peso serve de justificativa para ele não retornar ao médico… e , assim, a recaída está instalada. Alguns meses depois, com o paciente novamente obeso, o sentimento de culpa, remorso, depressão voltam e o paciente inicia o processo novamente de querer emagrecer.

Cuidando do Corpo: Onde e quando se encaixa o exercício físico no tratamento contra a obesidade?

Dr. Henri: É fundamental reservar um tempo para o exercício como parte da mudança de hábito de vida. Muita gente trabalha o dia todo e estuda á noite. Ou chega a casa e tem que se dedicar à família. Não tem tempo… Mas é por isso mesmo que está obeso! Ou aceita a obesidade como resultado dessa vida agitada ou enfrenta o problema de frente. Temos que readequar o problema. Abílio Diniz, empresário da maior rede de supermercados do Brasil acorda às 4 horas da manhã, às 5 horas, está na sua piscina nadando. No meio dia faz musculação e depois encontra tempo para trabalhar e dedicar-se a sua família. Não adianta… Você tem que se decidir: Precisa fazer exercícios! Pouca gente gosta, mas faz… Você só precisa planejar-se. Não precisa fazer o que todo mundo faz. Ir para academias, só por que todo mundo vai, muitas vezes, é uma imposição da sociedade e faz você se sentir constrangido. Mas se você gosta de academias, por favor, vá correndo! Se você não gosta, faça aquilo que você fazia na sua infância: Andar de bicicleta, correr, pular corda, enfim; descubra algo prazeroso para ajudar a incorporar os exercícios no seu novo hábito de vida.
Aqui vai uma dica que ajuda em muito a conciliar nossos afazeres cotidianos ao hábito de fazer exercícios: Cultive o hábito de ler enquanto faz esteira. Você não imagina o quanto isso lhe dá prazer. Dá mais prazer do que olhar televisão na frente da esteira, pois a leitura é um hábito mais culto e, sempre temos um livro, uma revista, um trabalho, um jornal ou um artigo que temos que ler, mas, ás vezes, não temos tempo, por isso, reserve esse tempo à leitura enquanto faz esteira e você vai se surpreender do quanto o tempo vai passar rapidamente e do quanto vai render a sua leitura e o seu exercício.

Se você tiver alguma dúvida, sobre essa matéria ou sobre os assuntos abordados na semana da obesidade, entre em contato conosco pelo nosso e-mail (blogcuidandodocorpo@gmail.com), ou use nosso campo de comentários.

O Cuidando do Corpo agradece ao Dr. Henri pela entrevista e por esclarecimentos importantes sobre essa doença tão grave que acomete várias pessoas no mundo todo e agradecemos aos leitores que interagiram nos comentários e participaram durante toda a semana da obesidade.

* Médico há 18 anos formado pela Faculdade Federal do Rio Grande do Sul, especializado em anestesiologia e pós- graduado em Medicina Estética em Barcelona em 1998. Professor do Curso de Pós-Graduação em Med. Est. da Soc. Bras. Med. Est. – Regional Sul, onde ministra aulas sobre fios de ouro e de sustentação. Detentor de Patentes sobre fios-de-ouro, fios de sustentação, implantes injetáveis líquidos e cremes cosmecêuticos. Consultor científico da Ind. Stem de produtos farmacêuticos voltados à prevenção do envelhecimento. Ex- Prof da Faculdade de Medicina UNESC de SC. Mestrado em Educação com estudo sobre o Estilo de Pensamento em Medicina Estética e sua Contribuição para a Formação Médica. Co-Autor do Livro Conversando com o Paciente em Cirurgia Plástica Ed: Ieditora 2a. Ed.2008. Autor de vários artigos e palestras sobre fios de sustentação facial e corporal e ensino da obesidade nas faculdades de medicina do Brasil.

h1

PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO DR HENRI BISCHOFF

julho 9, 2008

Obesidade

Dr Henri Bischoff

Obesidade é definida pela OMS como uma doença caracterizada pelo excesso de calorias. Apesar de originada por diversas causas, na maioria das vezes, mesma é fruto daquela ansiedade que nos ataca mais no final da tarde ou no inicio da noite quando chegamos à casa cansados do trabalho e beliscamos pão, torradas, bolachas, pizzas, lanches com farinha ou doces…

Essa ansiedade não nos ataca pela manhã, é sempre á noite. E sempre engordamos na nossa casa, nunca no trabalho, em festas ou em casas de parentes, amigos ou restaurantes. Sempre nos ensinaram que o que nos engordavam eram as gorduras, portanto, evitamos as gorduras e não as comíamos, preferindo sempre os grelhados, mas sem resultados e sempre damos preferência aos pães pretos ou lights, sem resultado também. Torradas também não funcionam…

Nunca nos disseram que o que realmente nos engordava eram as farinhas que comíamos ao chegar a casa á noite, sejam elas de pão branco, preto, massa, pizza, torta, pastéis, risóles, salgadinhos, xis, MC Donald, bolachas, biscoitos, etc…

Esses hábitos nos levam a engordar e essa gordura fica “gravada” na memória metabólica do organismo durante 2 anos no mínimo. Por isso, de nada adianta fazermos um regime para emagrecer e atingir o peso ideal em curto espaço de tempo se, depois de atingirmos a meta, pararmos de nos cuidarmos, pois, nosso organismo, que teve gravado dentro dele o peso de obeso, vai fazer de tudo para recuperar o peso perdido em menos de 2 anos após uma dieta. Daí o velho ditado popular: “Parou o remédio de emagrecer: Engordou o dobro…” E é mais ou menos assim, se utilizarmos uma medicação para emagrecer, quando ficamos magros NÃO PODEMOS PARAR O REMEDIO, mas sim, trocá-lo pelo estabilizador o qual será mantido durante 2 anos para que nosso organismo “apague” aquela memória do peso de obeso e troque pela memória do peso de magro. Portanto a chave do sucesso de manter-se magro a longo prazo é manter o tratamento iniciado durante 2 anos no mínimo após ter atingido o peso ideal.

Dois anos é o tempo que o organismo leva para acostumar-se a ficar magro novamente, portanto, você tem que manter seu tratamento por todo esse período.

Redução Alimentar

Redução alimentar não significa ficar contando calorias o dia todo ou fazendo dietas exóticas ou pouco práticas. Reeducação alimentar significa não fazer as nossas vontades de obesos e sim nossas necessidades.

Sabemos que todo obeso não gosta muito de comer pela manhã, gosta de comer uma saladinha e um bifinho no almoço e, quando chega a casa, toma café com pão á noite ou se enche de lanches. Ora, para emagrecer você deverá inverter tudo isso: comer como um rei/rainha de manhã, príncipe ou princesa no almoço e como um mendigo á noite. Café com pão só de manhã. Arroz, feijão, massa, no almoço… Á tarde frutas e á noite bife com saladas, frango com verduras, shakes, batidas de frutas, sopas, saladas de frutas com iogurtes lights. Não se iluda com pão preto: Depois do almoço nenhum tipo de pão, nem torradas, nem pão light… Nada de farinhas! OK? Use sua imaginação: Podem ser ingeridos: Queijos gordurosos, embutidos, carnes preparadas de todas as formas (inclusive frita), ovos fritos, etc…

Dieta

Até o almoço você pode comer livremente o que quiser inclusive doce, mas após o almoço é fundamental, não cometer “Gafs” (grãos, açúcar e farinha), ou seja, não pode trocar o pão branco por preto light ou torrada, OK?

Á tarde coma frutas livremente, em qualquer quantidade, e, á noite siga as instruções:

1ª Semana: Limpeza do intestino

Em um prato raso coloque num canto do prato 4 fatias em meia lua de mamão, no outro canto do prato + 4 fatias em meia lua de melão no outro canto + 4 fatias de maçã e no outro canto moranguinhos cortados em rodelas. No centro do prato coloque rodelas de banana e 3 ou 4 ameixas pretas. Por cima dessas frutas, acrescente iogurte natural ou de frutas light. Por cima do iogurte coloque nozes picadas, uvas passas claras e amendoim moído. Por cima disso tudo acrescente granola ou aveia em flocos da sua preferência. Coma com suco de laranja light ou refrigerante light durante toda a semana.

2ª Semana

Faça um sopão de moranga, cenoura, salsão, cebolinha, cebolas, ervilhas, brócolis e todos os legumes que você quiser. Acrescente na sopa frango ou carne com osso. Faça para a semana toda e guarde na geladeira. Tome á vontade á noite temperada com tempero verde, queijo ralado e pimenta vermelha se você gostar. Tome refrigerante light.

3ª Semana

Faça batidas (vitaminas de frutas) com todos os tipos de frutas com leite desnatado ou natural se você não tiver o desnatado. Exemplos: Batida de mamão com banana. Moranguinhos, abacate (pode tomar não engorda), manga, maçã com banana, pêssego, goiaba, uva, etc… Tome até 2 copos.

4ª Semana

Compre um shake da sua preferência do sabor que você quiser (chocolate, morango, baunilha, etc) e tome com leite a semana toda ate 2 copos.

5ª Semana

Coma carnes com saladas á vontade, (bife, frangos, peixe, churrasco) frito, cozido, assado, grelhado, etc, ou faça uma variação das 4 semanas anteriores para não enjoar. Pode-se fazer omeletes, tábua de queijos com presunto, salaminhos, palmitos e azeitonas. Use sua imaginação. Mas não use farinhas, grãos e açúcar. (única exceção é a granola ou aveia em flocos nas frutas). Se você tiver que ir numa festa dê preferência ás saladas com carnes.

·Pecados: Se você cometer pecados: Exemplo: Foi numa pizzaria, ou bebeu muito álcool na noite anterior; o que fazer? Faça uma desintoxicação no dia seguinte: passe o dia todo com o prato de frutas com iogurte e granola da 1ª semana tanto no almoço como na janta que você vai desintoxicar ligeirinho. Procure caminhar nesse dia para suar bastante e botar para fora todo álcool ou a pizza que você comeu.

– Se você caminhar ou fazer exercícios durante 1 hora, nessas 4 semanas iniciais, você poderá perder de 4 a 6 quilos iniciais.

– Não cometa Gafs depois do almoço…

Exercícios

É fundamental reservar um tempo para o exercício como parte da mudança de hábito de vida. Muita gente trabalha o dia todo e estuda á noite. Ou chega a casa e tem que se dedicar à família. Não tem tempo… Mas é por isso mesmo que está obeso! Ou aceita a obesidade como resultado dessa vida agitada ou enfrenta o problema de frente. Temos que readequar o problema. Abílio Diniz, empresário da maior rede de supermercados do Brasil acorda às 4 horas da manhã, às 5 horas, está na sua piscina nadando. No meio dia faz musculação e depois encontra tempo para trabalhar e dedicar-se a sua família. Não adianta… Você tem que se decidir: Precisa fazer exercícios! Pouca gente gosta, mas faz… Você só precisa planejar-se. Não precisa fazer o que todo mundo faz. Ir para academias, só por que todo mundo vai, muitas vezes, é uma imposição da sociedade e faz você se sentir constrangido. Mas se você gosta de academias, por favor, vá correndo! Se você não gosta, faça aquilo que você fazia na sua infância: Andar de bicicleta, correr, pular corda, enfim; descubra algo prazeroso para ajudar a incorporar os exercícios no seu novo hábito de vida.

Aqui vai uma dica que ajuda em muito a conciliar nossos afazeres cotidianos ao hábito de fazer exercícios: Cultive o hábito de ler enquanto faz esteira. Você não imagina o quanto isso lhe dá prazer. Dá mais prazer do que olhar televisão na frente da esteira, pois a leitura é um hábito mais culto e, sempre temos um livro, uma revista, um trabalho, um jornal ou um artigo que temos que ler, mas, ás vezes, não temos tempo, por isso, reserve esse tempo à leitura enquanto faz esteira e você vai se surpreender do quanto o tempo vai passar rapidamente e do quanto vai render a sua leitura e o seu exercício.

Sociedade

Um dos maiores erros dos obesos é dizer para a sociedade que ela está de dieta. Pois, a obesidade é uma doença discriminada pela sociedade, e, se o obeso toma a decisão de fazer alguma coisa a respeito (no caso a dieta) continua a ser inadequado á sociedade recusando isso ou aquilo que lhe é oferecido. Vai às festas e jantares e nada pode comer se tornando uma pessoa diferente (mais uma vez) das demais.

Portanto, ao receber um convite de uma festa, um casamento, um jantar; esqueça por hora que esta de dieta e coma livremente o que lhe for oferecido, mas com moderação (não esqueça de tomar sua medicação antes de sair para a festa), com isso, as pessoas ficarão satisfeitas com você e não perceberão que esta de dieta deixando-a livremente com seu “segredo”, pois você deverá manter sua meta por 2 anos. No outro dia, após a festa, passe o dia todo só á frutas para desintoxicar e o excesso não terá influência sobre o peso. Outro aspecto importante para seu ego nisso tudo é que a sua vida de magro tem que ser melhor que a sua vida de obeso, sem repressões, pois se você privar-se de tudo e de todos não vai agüentar muito tempo, não. Será uma panela de pressão que irá explodir em pouco tempo. Será como uma panela de pressão prestes a explodir. ““ Obeso adora “chutar o balde” e mandar tudo para o espaço só para ter a desculpa que sua vida estava um horror com aquela dieta horrível…

Medicação

Acredite no seu medico e no ministério da saúde: Se qualquer remédio é nocivo á saúde brasileira, o mesmo tem a licença cassada pelo ministério da saúde no ato, não necessitando reportagens em serie com interesses suspeitos, quando se sabe que a indústria da obesidade fatura 4 bilhões de dólares por ano somente no Brasil e, o mínimo vai para multifuncionais. A quase totalidade desse valor permanece no Brasil, pois o mesmo é produzido em farmácias de manipulação brasileiras gerando empregos e impostos vê-se um grande interesse em destruir a imagem da medicação de emagrecer. É claro que o abuso, e não o uso (como está no rótulo do remédio) faz mal a saúde, assim como qualquer outra medicação que abusarmos, até mesmo aspirina, se abusarmos e ingerimos 10 aspirinas de uma vez só.

A medicação faz parte de um tripé de tratamento: DIETA EXERCÍCIOS E MEDICAÇÕES. Os problemas ocorrem, muitas vezes, quando a pessoa não observa esse tripé e passa a usar só a medicação esperando tudo do remédio. Não se alimenta, não faz exercícios, fica com o corpo fraco e passa a ficar tonta, sobre desmaios, dor-de-cabeça, tremores, falta de memória, depressões, etc… Tudo sintomas de falta de alimentação… A família se assusta, leva a pessoa no hospital o médico plantonista presta atendimento e sem o conhecimento de causa põe a culpa na medicação e não no paciente, com isso, a medicação vai ganhando a má fama de “causar mal”…

A medicação não tira efeito de anticoncepcionais ou de outros medicamentos que porventura o paciente esteja tomando. A única recomendação: Se você necessitar tomar antibiótico (ou se sentir febre) interrompa o uso do remédio de emagrecer até terminar o antibiótico.

Bebidas alcoólicas devem ser tomadas em horários distantes da medicação de emagrecer (no mínimo 6 horas depois). Melhor seria não ingerir álcool, pois esse contém muitas calorias.

Sempre são realizados exames ao longo do tratamento, muitas vezes não no início do tratamento, pois você recentemente realizou e seria desnecessário realizar novamente, mas, ao longo do tratamento, são realizados periodicamente todos os exames para a sua segurança e de sua família para garantir que a sua medicação não esta lhe prejudicando e que, ao contrário, a medicação melhora a cada vez mais o seu perfil de colesterol, triglicérides, hematócrito, glicose, pressão arterial, acido úrico, etc. Ou seja, você ganha saúde tomando medicação e não ao contrário.

Resistência

Se, ao longo do tratamento de emagrecimento seu organismo “travar”, ou seja, mesmo com todas as manobras honestas ele não perde peso, é sinal que ele adquiriu resistência ao tratamento e está necessitando de um “choque metabólico”. Por isso de tempos em tempos costumamos colocar nossos pacientes na “UTI DO GORDO” (no final deste folheto) durante 7 dias. Seu objetivo é readequar seu organismo para a perda de peso novamente. Por isso, cada vez que você sentir que está perdendo peso, “interne-se” imediatamente na UTI do gordo durante 7 dias ou mais até voltar a perder peso.

Manutenção

Manutenção é a etapa na qual a pessoa atingiu o peso pretendido. Daí em diante ela tem a missão de manter-se nesse peso durante 2 anos, no mínimo. Esse período de 2 anos é para dar tempo ao organismo adaptar-se ao novo sistema de funcionamento com o novo peso. Ele precisa “esquecer” o peso antigo e “gravar” o peso novo. Esse processo leva, em média, 2 anos. É fundamental saber que essa etapa é TOTALMENTE MEDICAMENTOSA! Não interrompa o medicamento!

As pessoas teimam em parar o medicamento nessa fase achando que não precisavam que conseguem fazer o tratamento por vontade própria e ai acontecem os maiores desastres. Simplesmente voltam a engordar com força total, pois o organismo recupera o peso perdido rapidamente. Não estamos brincando, a obesidade é uma doença, epidemia mundial, muito mais forte do que nós e só será debelada mediante ajuda de remédios. Não se iluda com a mídia e propaganda enganosas falando todo o tipo de reportagens espalhando pânico nas pessoas a respeito das medicações de emagrecer, que essas prejudicam o organismo e tudo mais…

Você chegou até aqui no programa, após outras tentativas frustradas de emagrecimento, nos dê uma chance de ajudarmos você nessa fase que é a fase mais delicada do tratamento.

Somos seres humanos falíveis, portanto, não podemos enfrentar a obesidade, que é uma doença muito mais poderosa do que nós, só com a nossa força de vontade, pois, se o mundo inteiro está ficando obeso justamente VOCÊ será diferente das pessoas que irá conseguir enfrentar sozinho sem ajuda de remédios?

Será que VOCÊ é a exceção a regra. Não, as estatísticas mostram que suas chances são mínimas. Portanto, se você não quiser ser mais um que voltou a engordar siga seu tratamento daqui pra frente durante 2 anos com a ajuda de medicação.

È claro que seu médico vai lhe informar que sua medicação nessa fase é bem mais light, muito mais fácil de ser usada e as consultas serão mais espaçadas. Mas, o mais importante, nessa fase é saber que você tem que seguir dois anos em frente com a ajuda de medicação.

Nessa fase a integração social é mais ampla, você pode fazer alguns excessos a mais sempre socialmente, mas, em casa (onde a gente engorda realmente) desintoxique no dia seguinte e siga se cuidando. Não se descuide do exercício, pois se você der vazão ao desânimo e parar, fica muito difícil recomeçar.

Não pare! Siga em frente.

E, uma recomendação final: Estando magro lembre-se dessa frase como máxima de humildade: “Eu estou magro, mas eu sou um obeso”.

h1

OBESIDADE E EMAGRECIMENTO – perguntas e respostas

junho 20, 2008

DR HENRI FERNANDO BISCHOFF

Anestesiologista – CREMESC 6284 – CREMERS 18265

Professor do Curso de Pós- Graduação em Medicina Estética  pela UIME – Porto Alegre – RS

Mestrando em Educação – CAPES 2006

1) Necessito realizar uma cirurgia plástica, mas, como sou obeso (a) meu cirurgião me recomendou realizar um emagrecimento prévio para diminuir meus riscos cirúrgicos e melhorar o resultado de minha cirurgia. Que riscos são esses?

A obesidade é uma doença definida pela Organização Mundial de Saúde – OMS como o acúmulo excessivo de gordura (tecido adiposo) no indivíduo. Sendo doença, necessita tratamento médico. Todo paciente obeso que necessite realizar uma cirurgia eletiva (não urgente) deve realizar emagrecimento prévio para minimizar seus riscos cirúrgicos.

O paciente obeso possui mais gordura em seu pescoço, o que dificulta o momento da entubação oro – traqueal ou naso-traqueal para a realização da anestesia geral, pela pouca flexibilidade da cabeça no momento da mesma. Esses pacientes, em geral, são mais roncadores e isso diminui a oxigenação sangüínea na sala de recuperação provocando maior risco de hipertensão arterial e, até mesmo, infarto do miocárdio. A chance de problemas respiratórios pós-operatório é maior nos pacientes obesos. Pelo peso da gordura no tórax, o pulmão ventila menos ocasionando atelectasias, que são zonas de pulmão murchas, não ventiladas e que se colabam, grudando umas nas outras aumentando o risco de acúmulo de secreções que podem ocasionar infecção pulmonar (pneumonia) pós-operatória hospitalar de difícil controle.

Muitos pacientes obesos têm seus pulmões comprimidos pelo excesso de peso (Síndrome de Pick-Wick) e respiram com maior dificuldade mesmo na sua vida cotidiana e, obviamente, têm mais complicações cirúrgicas do que aqueles que respiram normalmente.

A hipertensão arterial, outro problema agravado pela obesidade, deve ser monitorizada em todo o trans-operatório e pós-operatório pelo anestesiologista. Com pressão alta, o paciente obeso sangra mais durante o ato cirúrgico, o que dificulta o trabalho do cirurgião e, também, pode aumentar o risco de complicações cardíacas e renais durante o ato cirúrgico. Com a diminuição do peso pré-operatório, a grande maioria dos pacientes estabiliza seus níveis pressóricos e realizam sua cirurgia de maneira tranqüila sem intercorrências.

A diabete tipo II é outra doença associada à obesidade. O paciente obeso e diabético representa um problema bastante sério para o anestesiologista. Esse paciente possui risco maior de infecção hospitalar pós-operatória, de cicatrização demorada da ferida operatória com aumento do número de deiscências (abertura dos pontos) e de morte súbita. O manejo pré-operatório do peso do paciente diabético através do emagrecimento reduz, drasticamente, a chance de complicações por diabete tipo II.

A associação dessas 3 patologias (obesidade, hipertensão e diabete) em um único paciente é chamada de Síndrome Metabólica e produz altíssimo risco coronariano de infarto do miocárdio ou AVC- acidente vascular cerebral (derrame).

Ficar deitado por um tempo maior do que o habitual (decúbito prolongado) é complicado para os obesos que necessitam operar-se. Esses pacientes, por suas características, têm um retorno venoso do sangue até o coração dificultado pelo excesso de peso, com isso, o paciente que necessita ficar deitado na cama para realizar cirurgia apresenta maior risco de trombose venosa profunda com formação de êmbolos (coágulos sangüíneos). Esses coágulos se desprendem das pernas passando pelo coração até chegar aos pulmões, entupindo uma das artérias pulmonares ocasionando a temida embolia pulmonar que, se for muito extensa, pode provocar morte súbita.

Outra dificuldade para os obesos e que muitas vezes é esquecida, é o fato de o paciente obeso apresentar maior dificuldade para venóclise (pegar veia) para instalação de soro endovenoso. Se não for possível o acesso a uma veia periférica, o anestesiologista necessita puncionar uma veia central e instalar um equipamento chamado intra-cat que perfunde o soro diretamente no coração. A instalação de um cateter central tem maior risco de provocar infecção do que um cateter periférico.

Por fim, vale ainda lembrar que, todo paciente obeso que não necessite realizar anestesia geral possui uma dificuldade maior para realizar anestesias loco – regionais como a raquianestesia ou a anestesia peridural. Esses pacientes, por apresentarem muita gordura nas costas possuem um espaço intervertebral mais reduzido dificultando a passagem da agulha ou do cateter.

2) Ok! Emagrecendo eu diminuo meus riscos cirúrgicos, mas quais são os benefícios para o resultado de minha cirurgia plástica?

Emagrecer melhora muito os resultados de uma cirurgia plástica. As pacientes que irão realizar cirurgia dos seios, como redução de mamas ou implante de prótese de silicone define, após o emagrecimento, o tamanho real e possível que pode ser atingido pelo paciente magro, restando ao cirurgião diminuir ou aumentar, conforme o caso, o tamanho da mama desaparecendo o risco de ficar maior ou menor do que o previsto devido ao peso excessivo.

Para os pacientes que irão realizar lipoaspiração é o mesmo caso: o emagrecimento melhora muito a redução das gorduras localizadas restando somente gordura que realmente está em excesso naquela região específica. Por exemplo, se a cirurgia a ser realizada é lipoaspiração de culotes: a redução de peso prévio à cirurgia definirá a exata gordura em excesso que o/a paciente possui naquela região após emagrecer. Após ser lipoaspirada a região do culote, esse paciente pode ter certeza que eliminou completamente a sua gordura. O contrário ocorre com o paciente obeso: o culote, após ser lipoaspirado, sofre o risco de ainda possuir gordura em excesso que não pôde ser eliminada pelo cirurgião para que se conservasse a harmonia do formato anatômico.

Outra vantagem que a paciente ganha emagrecendo antes de uma cirurgia plástica é em sua recuperação: a paciente magra forma menos seromas (acúmulo de líquido sero-sanguinolento na região operatória) necessitando menos sessões de drenagem linfática. Sua recuperação e cicatrização ocorrem de forma mais rápida.

Pacientes que irão realizar qualquer tipo de cirurgia plástica ou de outra especialidade têm muito mais benefícios com o emagrecimento do que possíveis riscos.

3) Você falou em riscos possíveis no emagrecimento pré-operatório. Quais são?

Os riscos que um paciente pode sofrer ao realizar emagrecimento pré-operatório são muito pequenos se realizados por profissionais especializados. Todo o tratamento é monitorado com exames físicos e de laboratório, que controlam todas as alterações metabólicas desse paciente. Através dessa prática evitamos anemias carenciais por falta de vitaminas, distúrbios hidroeletrolíticos como diminuição dos sais minerais, distúrbios renais, diabetes, hipertensão, etc. Essas alterações citadas são possíveis quando não há um acompanhamento médico adequado, o que, infelizmente, ainda existe em nosso meio por falta de esclarecimentos aos pacientes.

4) Que profissional devo procurar para realizar meu emagrecimento pré-operatório?

Pacientes que irão realizar emagrecimento pré-operatório sempre deverão ser acompanhados por médicos habituados com a prática. O endocrinologista é o profissional mais adequado a realizar o acompanhamento e o tratamento desse paciente em todo o percurso da doença. O médico anestesiologista também cumpre papel importante no acompanhamento desse paciente, uma vez que será responsável pela vida do paciente durante o ato cirúrgico. O mesmo deverá informar ao paciente todos os seus riscos cirúrgicos e avaliar seu estado de saúde com exames físicos e laboratoriais. Na presença de alterações metabólicas como a obesidade, o anestesiologista poderá colaborar com o endocrinologista no manejo metabólico pré-operatório com vistas ao emagrecimento desse paciente. Por fim, o médico psiquiatra também cumpre papel fundamental no manejo dos distúrbios alimentares compulsivos como bulimia ou anorexia nervosa, que podem ser controlados com drogas antidepressivas que auxiliam na ingestão excessiva (bulimia) ou diminuída de alimentos (anorexia nervosa). Complementarmente e de maneira multidisciplinar, o paciente obeso deverá ser acompanhado por nutricionista especializado na área cirúrgica, fisioterapeuta, esteticista e personal-trainer com título superior na área.

5) Depois de realizar a cirurgia o que devo fazer para não voltar a engordar?

A obesidade é uma doença insidiosa, lenta e progressiva. A manutenção do peso perdido deve ser uma preocupação e um cuidado constante por parte do paciente para que a obesidade não retorne. Acompanhamento médico profissional deve ser realizado por, no mínimo, 2 anos após a cirurgia, pois o organismo necessita de bastante tempo para assimilar as alterações de metabolismo e do peso que queremos manter. Manter um metabolismo ativado e dieta constante não é tarefa fácil. Dificilmente o paciente consegue realizar sozinho. Muitos pacientes necessitam utilizar medicação para estabilizar o peso, seja através de ativadores de metabolismo, ou redutores da ansiedade, para controle do comer compulsivo e, ainda, outros pacientes necessitam sacietógenos (indutores da saciedade) por um tempo mais prolongado.

Por todas essas razões, o paciente deverá sempre manter-se em acompanhamento realizado por médico habituado com essa prática.

6) Tenho medo de tomar medicação para emagrecer. Elas podem me prejudicar?

A utilização de medicação para emagrecer é motivo de controvérsia entre os médicos, os pacientes e a sociedade. Muitas dessas medicações foram desenvolvidas para utilização por curto período de tempo não levando em conta que a obesidade é doença crônica e necessita tratamento a longo prazo de estabilização de peso. Outro motivo oculto é a pressão da indústria farmacêutica sobre os meios de comunicação e os órgãos governamentais reguladores desse tipo de medicação com clara intenção de denunciar somente os aspectos negativos das medicações mais antigas, para que se forme um verdadeiro pavor social aos anorexígenos, favorecendo a idéia de utilizar-se as medicações mais modernas e mais onerosas.

Isso gera um custo social grave, uma vez que, por razões financeiras, a maioria dos pacientes não tem acesso a esse tipo de medicamento e continuam obesos ou abandonam o tratamento, o que possibilita o aparecimento das temíveis complicações dessa doença e seus custos sobre o SUS – Sistema Único de Saúde.

Para utilizarmos medicações devemos, primeiro, tentar o uso de dieta balanceada e realização de exercícios físicos. Somente após a falha desse tipo de tratamento que devemos pensar na possibilidade de utilização de medicamentos. Para pacientes que apresentam Índice de Massa Corporal-IMC (divisão do peso sobre o quadrado da altura) maior do que 30 a utilização de medicação é quase que obrigatória.

Toda medicação possui efeitos colaterais, mas esses são mais comuns quando o paciente não segue as orientações médicas ou abusa da mesma. Um exemplo típico de aparecimento de efeitos colaterais que podem ser evitados é aquele que, por desejo de resultados rápidos, o paciente toma a medicação e não realiza o regime alimentar associado à medicação. Sem alimentar-se e tomando medicação, esse paciente pode sentir-se muito mal podendo, até mesmo, desmaiar ou morrer.

7) Paciente A -Eu como muito pouco e, mesmo assim, tenho excesso de peso. Acordo pela manhã e não tomo o café-da-manhã, almoço somente bife com salada e, à noite tomo café com pão preto. Porque não emagreço?

Paciente B – Eu não consigo me controlar na comida depois das 5 da tarde quando chego à casa do trabalho. O que está acontecendo comigo?

O maior inimigo do tratamento da obesidade é o fato do paciente “achar que sabe tudo”. Partindo do senso comum que “deve fechar a boca”, acaba por cometer erros. Ora, a obesidade é uma doença psico-metabólica e, sendo assim, ela acaba condicionando os hábitos alimentares do paciente. Sua característica principal é o “ataque de fome compulsiva” (binge-eating) após as 17 horas. Para que esse ataque seja perfeito ele necessita que o paciente ingira pouco carbohidrato antes do mesmo.

Como a grande maioria dos obesos não sente fome pela manhã, acabam não tomando um bom café-da-manhã acompanhado de carbohidratos, frutas e proteínas. Após 6 a 8 horas de sono o organismo necessita de calorias ao acordar.

Chegam ao almoço ainda sem fome, portanto e em geral, aproveitam para fazer dieta: carnes, frangos ou peixes com saladas. Percebe-se que, desde o horário de dormir até o almoço, esses pacientes não ingerem ou ingerem muito pouco carbohidrato, com isso seu metabolismo continua lento por todo o dia e, ao chegar à casa pela tardinha, a vítima está pronta para ser atacada pela fome intensa de carbohidratos.

Por essa razão o comportamento dessas pacientes impede o emagrecimento.

8) Sou obesa, mas não chego a ser obesa mórbida, por isso meu médico não me indicou cirurgia bariátrica para redução do volume de meu estômago. Já fiz todo os tipos de regimes possíveis e imagináveis, tomei fórmulas e todo tipo de medicações, já fui a grupos de obesos e já comprei todo tipo de chás e shakes que me ofereceram e, por fim, realizei cirurgia plástica do abdome e lipoaspirações, mas continuo obesa. Estou desanimada e sem esperança. Ainda possuo alguma chance?

Existe de fato essa realidade. O metabolismo torna-se tão lento e tão tolerante aos medicamentos que parece nada mais funcionar. Esses pacientes devem ser incentivados a não desistir. O excesso de peso já é tão grande e as complicações metabólicas tão graves que impedem o exercício. O que fazer? Dieta não funciona mais, o exercício é impossível, o corpo está resistente à medicações… A equipe médica dessa paciente, muitas vezes, também desanima ao ver essa paciente regressar novamente obesa.

O que devemos fazer, nessas ocasiões, é nos apegarmos a pequenas “brechas” que a doença permite, para que possamos atacá-la. Muitas vezes é o café-da-manhã com carbohidratos que não está sendo observado, em outras é a falta do almoço e, na grande maioria das vezes, o paciente está comendo pão ou derivados à noite. Troca o pão branco pelo pão preto e segue ingerindo o carbohidrato à noite sem dar-se conta que é isso que impede o emagrecimento. O paciente deverá ser muito honesto consigo nessa hora e impedir a ingesta de carbohidrato derivado das farinhas ou do açúcar, após o almoço.

Reforço psicológico, fisioterapia orientadora de exercícios próprios a esse paciente, equipe médica adequada, apoio nutricional e dietético, uso de medicações alternadas, e, principalmente: muito desejo sincero de emagrecer sem cometer “pecados”.

9) Realizo exercícios todo dia, caminho 1 hora por dia, observo rigorosamente minha dieta por mais de um ano e, só emagreci nos primeiros 2 meses de tratamento, após isso não perdi mais peso. O que aconteceu comigo?

Assim como o organismo obeso torna-se tolerante aos medicamentos, ele “acostuma-se” aos exercícios. Os músculos daquela região solicitada adaptam-se ao exercício e a queima calórica fica diminuída. A dica, nesse caso, é alternar o tipo de exercício. Se o obeso gosta de passar 1 hora na esteira ou andar em volta da praça, modifique o trajeto. Que inclua lombas, degraus e terrenos mais acidentados. Outra dica é passar a correr, andar de bicicleta e nadar. Se o paciente está na academia, modificar os aparelhos semanalmente e, principalmente, não aumentar os pesos para não hipertrofiar músculo e impedir a perda de peso. Ao invés de aumentar o peso do aparelho, ele deve aumentar o número de séries. Fazendo 3 séries de 50 exercícios em cada aparelho, certamente o emagrecimento ocorrerá.

10) Que tratamento realizarei para emagrecer? Quais são as estratégias a curto, médio e longo prazo?

O objetivo do tratamento a curto prazo é atingir o máximo de perda de peso com saúde possível para a realização da cirurgia plástica. Para esse intento realizamos uma avaliação rigorosa dos hábitos cotidianos e alimentares do paciente. Exames laboratoriais são pedidos pré, trans e pós-emagrecimento A vida social e emocional também é investigada para podermos lidar com esse paciente de forma abrangente e integral.

A estratégia de tratamento é saber lidar com o componente psíquico e o metabólico do paciente. Muitas vezes, encontramos somente um dos componentes presentes no paciente ou, geralmente, a associação de ambos (compulsão alimentar associado ao metabolismo lento).

O manejo psíquico do paciente procura encontrar indícios de compulsão alimentar para farináceos após as 17 horas e alguma característica do perfil psicológico do paciente obeso para sabermos classificar e manejar cada caso individualmente.

Quanto ao perfil psicológico do paciente obeso típico ou obeso em potencial , ao relatar ao médico sua rotina diária, inconscientemenete, relata um comportamento característico que se repete na grande maioria dos outros obesos.

1) Negação do próprio corpo

2) Racionalização do problema da obesidade

3) Projeção do problema da obesidade

4) Auto estima baixa

5) Carência afetiva

6) Vergonha

7) Exclusão de ambientes sociais

8) Ressentimento do passado

9) Raiva do presente

10) Medo do futuro

11) Fraca auto confiança

12) Desonestidade

13) Preguiça

14) Insegurança

15) Inveja

16) Auto piedade

17) Falta de perseverança no propósito

18) Imediatismo (resultados rápidos)

19) Extremismo (executa regimes maiores do que os propostos)

Medicações para o controle da ansiedade ou antidepressivos são prescritos conforme a necessidade ou não, nesses casos.

O manejo metabólico do paciente é desenvolvido através de dieta personalizada que enfoca a necessidade de interromper a ingesta de farináceos e doçuras após o almoço. Café-da-manhã balanceado, lanche da manhã, almoço completo com sobremesa e, após o almoço, interrupção da ingesta de pães, bolos, tortas, biscoitos, pastéis, salgadinhos, pizza, massas e alimentos que contenham açúcar de qualquer tipo. Um programa de exercícios orientado é oferecido ao paciente.

Em geral, com essas orientações e cuidados, o paciente consegue emagrecer. Para os casos que não o conseguem, ou que apresentem patologias graves ou IMC maior que 30, o uso de medicações anorexígenas, sacietógenas, ativadores do metabolismo, bloqueadores da absorção de gordura, ou que agem sobre os receptores cerebrais envolvidos na obesidade, serão indicadas segundo a necessidade maior do paciente ou tipo de zona afetada.

Os objetivos à médio e longo prazo, após a cirurgia, têm como alvo a manutenção e estabilização do peso. O organismo demora para se “acostumar” com o novo peso. Existe uma memória metabólica do peso inicial que tentará recuperar o peso perdido. Para que o paciente entenda melhor essa situação, para o organismo, a dieta e os novos hábitos diminuem a quantidade de alimentos ingerido e representam um sinal de perigo para o mesmo. Com isso, o corpo passa a economizar ao máximo as calorias ingeridas, daí a razão de, muitas vezes, o paciente emagrecer rápido nos 15 dias iniciais (3 a 5 quilos) e,depois, diminuir o ritmo da perda de peso.

A manutenção durante 2 anos ou mais, reeduca o organismo a esse novo estilo de vida e faz que o mesmo adapte-se ao novo hábito: “comer como um rei (ou rainha!) pela manhã, príncipe ao almoço e escravo ao anoitecer”. A memória metabólica vai se perdendo aos poucos e o paciente estabiliza seu peso.

11) Quantos dias deverei interromper a medicação antes da cirurgia? Quando deverei recomeçar o tratamento?

Se o paciente está fazendo uso de medicação deverá interrompê-la 7 dias antes da cirurgia e recomeçar 7 dias depois.

12) Quais são as causas da recaída da obesidade?

Após um período breve de tempo em emagrecimento o paciente obeso, agora magro, começa a viver uma nova realidade e, se não for trabalhada uma terapia comportamental, começa lentamente um processo de desânimo. Forças contrárias ao tratamento passam a ser valorizadas pelo paciente nessa fase. Exemplos disso são comentários negativos da família, pressão dos amigos, férias de verão, festas, mudança de domicílio, problemas emocionais que levem ao aumento da ansiedade como perda de familiares, concursos, casamento, divórcio,problemas financeiros, excesso de trabalho, etc. O paciente acha que pode se cuidar sozinho, mas, sem perceber começa a abandonar o médico, depois as caminhadas e por fim a própria dieta. Aquele período pequeno em que ele, sem tratamento, conseguiu manter seu peso, serve de justificativa para ele não retornar ao médico… e , assim, a recaída está instalada. Alguns meses depois, com o paciente novamente obeso, o sentimento de culpa, remorso, depressão voltam e o paciente inicia o processo novamente de querer emagrecer. Por vergonha, o mesmo, muitas vezes procura outro profissional para reiniciar seu tratamento.

13) Em quanto tempo antes da cirurgia deverei iniciar meu emagrecimento?

O ideal seria o paciente procurar o serviço de emagrecimento 6 meses antes da cirurgia, mas, muitas vezes, isso não ocorre. O que não pode acontecer é o paciente tomar a decisão de emagrecer em 30 dias e querer realizar a cirurgia plástica em seguida.

14) Quantos quilos perderei por mês?

A perda de peso é maior no início do tratamento (em geral, 4 a 6 quilos por mês) e vai diminuindo com o passar do tempo. Para emagrecer 30 quilos de um obeso, necessitamos, no mínimo 6 meses.

15) Tenho 14 anos e estou muito acima de meu peso ideal e sinto muita fome pela tarde e à noite. Tenho vergonha de meu corpo porque minhas amigas todas já estão sendo notadas pelos meninos e, para mim eles não olham. Tenho vontade de fazer uma plástica e tirar toda essa gordura, mas meu médico não concorda com minha idéia. O que devo fazer?

A obesidade infanto-juvenil está crescendo a cada dia em nosso meio. Crianças e adolescentes têm crescido nos últimos 20 anos, porém também têm ganhado peso, o que está nos assemelhando em obesidade aos americanos. Se a tendência continuar, a esperança de vida das próximas gerações diminuirá, segundo Antonio Carrascosa, chefe do Serviço de Pediatria do Hospital Vall d’Hebron, de Barcelona. Estas conclusões foram obtidas após o Primeiro Estudo Transversal de Crescimento em 2008 na Espanha no qual foram medidos e pesados 34 500 crianças e adolescentes de todas as idades, desde o nascimento aos 20 anos.

Os adolescentes cresceram, em média, 3 centímetros na Europa. Porém, ganharam peso e não de forma proporcional. Há 20 anos atrás o sobrepeso em crianças era na faixa de 3%, hoje esta cifra tem se multiplicado por 3 no caso das meninas e por sete no caso dos meninos.

O ganho de peso começa nos primeiros anos de vida, a partir dos 3 ou 4 anos. Quando chegam aos 14 anos, as adolescentes começam a se preocupar com sua imagem e passam a diminuir o ganho de peso em relação aos adolescentes do sexo masculino.

Entre as causas que favorecem a obesidade infanto-juvenil, os especialistas assinalam um aporte calórico excessivo-com alimentos que contém muitas calorias em pouco volume-e a tendência cada vez maior ao sedentarismo. Até os 3 anos de vida as crianças não param de mexer-se e ao existir sobrepeso nessa idade se pode atribuir ao comer em excesso. Porém, depois dessa idade, o ócio dos maiores facilita o sedentarismo.

As crianças prematuras, a partir de 26 a 27 semanas, ou os que nascem com baixo peso, têm maior risco de desenvolver obesidade na vida adulta, pois a recuperação de peso rápida após o nascimento demanda uma sobrecarga para o metabolismo da criança e, com o crescimento dessa criança, está relacionado o aparecimento de síndrome metabólica na vida adulta, ou seja, obesidade, diabete e hipertensão.

A obesidade infanto-juvenil é, a cada dia mais freqüente, motivo de consulta e produz complicações tanto médicas como psicológicas nos afetados por essa moléstia. Se não é realizada nenhum tipo de intervenção, esses pacientes têm um risco duas vezes maior de seguir obesos na vida adulta.

Na manutenção da obesidade interferem tanto fatores genéticos como ambientais. Nestes últimos, destaca-se o número de horas que as crianças e os jovens passam em frente ao televisor, que está em relação direta com o risco de obesidade, especialmente nos adolescentes. A televisão anuncia alimentos com alto conteúdo calórico e, em geral, os personagens que aparecem mostram hábitos alimentares inadequados. Ademais, frente à telinha se aumenta a possibilidade de “beliscar” alimentos e se reduz o tempo dedicado às atividades ao ar livre.

O exercício, não somente gasta parte da energia ingerida e ajuda a manter um balanço calórico correto, mas também previne o aparecimento de transtornos vasculares e diabete, porque melhora o efeito regulador da insulina e diminui a lipogênese (aumento da gordura). Outros fatores ambientais implicados no excesso de peso é o tipo de estrutura familiar e o excesso de alimentação durante o período pré-natal e de lactação.

Se a tendência de aumento de peso que está se produzindo nos países desenvolvidos não se inverter, poderá ocorrer um paradoxo: a esperança de vida das novas gerações será, pela primeira vez, menor do que seus progenitores. Nossa espécie sempre viveu em condições de penúria de alimentos e nossos genes estão adaptados para retirar o máximo dos alimentos devido a essa carência. Porém, desde a metade do século passado, a carência de alimentos desapareceu para a maioria da população aparecendo um excesso de alimentos, e, por isso, a obesidade vêm aumentando.

Além de prejudicar a saúde a longo prazo, a obesidade infanto-juvenil provoca alterações do desenvolvimento puberal: puberdade precoce, pseudohipogenitalismo (aspecto de pênis pequeno devido ao excesso de gordura na região) e ginecomastia (mamas aumentadas nos meninos). Problemas dermatológicos como estrias, infecções por fungos, dispnéia (falta de ar) de esforço durante o exercício físico moderado e patologias nos ossos e articulações (pés planos e escolioses).

16) Que tratamento existe para a obesidade infanto-juvenil?

O tratamento da obesidade infanto-juvenil, como no caso dos adultos, é um dos problemas mais difíceis e frustantes para o pediatra, pois cerca de 90%¨das crianças que perdem peso tornam a recuperá-lo. Não obstante, com uma perda de peso moderada, pode-se conseguir uma notável diminuição dos transtornos associados à obesidade, a mesma já é considerada a epidemia deste século, assim como uma enfermidade difícil de tratar.

Para complicar mais ainda, a dieta para perder peso pode ter efeitos secundários importantes na criança ou no adolescente, como diminuição do crescimento, se o aporte calórico não for adequado. Não podemos também esquecer os efeitos psicológicos, porque um regime muito agressivo pode contribuir à piora da auto-estima ou provocar depressão. E, nas jovens pré-dispostas, pode ser o gatilho, pelo qual os transtornos alimentares como a bulimia ou a anorexia nervosa se iniciam.

h1

OS ASPECTOS PSICOLOGICOS DA OBESIDADE

junho 14, 2008

 

 

OS ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA OBESIDADE

DR HENRI FERNANDO BISCHOFF

Anestesiologista – CREMESC 6284 – CREMERS 18265

 

Mestrado em Educação – CAPES 2009

A obesidade é uma doença reconhecida pela OMS – Organização Mundial de Saúde-caracterizada pelo acúmulo excessivo de tecido gorduroso no indivíduo.

Variados métodos são utilizados para diagnosticar, classificar, estabelecer tratamentos e prognósticosda obesidade.A maioria destes métodos está baseada em critérios científicos e fisiológicos estabelecendo, na maioria das vezes, umtratamento baseado em dadosobjetivos, desprezando os fatores subjetivos que possam interferir nesses resultados.

O presente trabalho tem por objetivo traçar o perfil psicológico do obeso, seu comportamento compulsivo e , a partir disto, interferir efetivamente no tratamento desta doença.

O PERFIL PSICOLÓGICO DO OBESO:

O obeso típico ou obeso em potencial relata ao médico sua rotina diária e, inconscientemenete, relata um comportamento característico que se repete na grande maioria dos outros obesos.

1)Negação do próprio corpo

2)Racionalização do problema da obesidade

3)Projeção do problema da obesidade

4)Auto estima baixa

5)Carência afetiva

6)Vergonha

7)Exclusão de ambientes sociais

8)Ressentimento do passado

9)Raiva do presente

10)Medo do futuro

11)Fraca auto confiança

12)Desonestidade

13)Preguiça

14)Insegurança

15)Inveja

16)Auto piedade

17)Falta de perseverança no propósito

18)Imediatismo (resultados rápidos)

19)Extremismo ( executa regimes maiores do que os propostos)

O paciente obeso não gosta de alimentar-se pela manhã ( e ainda considera isso uma virtude!), come pouco no almoço ( come carnes e verduras), come pouco no trabalho e, no final da tarde e início da noite, ao chegar em casa , esse paciente desencadeia um processo compulsivo de ingesta de farináceos, doces, e outros alimentos que não caracterizam uma refeição equilibrada. Em geral esses pacientes se ocupam muito com os outros tentando ser bonzinhos , gerando mais ansiedade, auto piedade, estresse; culpando seus colegas e/ ou sua família pelo seu comer compulsivo. Os obesos são os mestres da auto justificação. Chegam no nosso consultório e dizem: “Doutor, não sei porque sou gordo… Eu não tomo café-da-manhã, almoço pouco e não janto!!! … O que posso fazer doutor? “

Esse processo compulsivo parece obedecer um ritmo auto determinado de acometer o paciente no período entre 16 às 21 horas em seu ambiente doméstico e não em ambientes do trabalho, estudo ou lazer. Observa-se, ainda, em pacientes do sexo feminino que esse processo compulsivo, preferencialmente, é seletivo, ou seja, o alimento não pode ser uma refeição única, mas sim, lanches e petiscos, pois isso alimenta ainda mais o comportamento compulsivo. Após essa “orgia alimentar” o paciente experimenta um prazer imediato e um remorso tardio. Sente-se culpado. Promete para si mesmo que no outro dia ele vai se controlar e, no outro dia repete tudo de novo… Mais culpa, mais auto estima baixa, mais ansiedade, mais compulsão. Círculo vicioso da auto obsessão compulsiva alimentar.

Na verdade, o paciente obeso não tem o conhecimento que o seu comportamento está determinado pela doença.Aquilo que ele acredita que é seu estilo de vida é repetido pela grande maioria da população obesa. Esse paciente está realizando diariamente o comportamento imposto pela doença compulsiva. Ao aprofundarmo-nos mais nesse determinismo pré-estabelecido constatamos, muitas vezes, que nosso paciente, ao nos pedir ajuda para emagrecer, está pedindo uma ajuda temporária, enquanto suas forças lhe permitem mudar de estilo de vida, até que o processo de recaída mine suas forças e ele passe a abandonar o tratamento paulatinamente. Parece que a “doença permite” a esse paciente, temporariamente, diminuir seus problemas relacionados à obesidade até que ele possa, novamente, voltar ao seu ato compulsivo de comer sem que isso lhe gere sentimento de culpa.

A Recaida:

Após um período breve de alguns meses em emagrecimento o paciente obeso, agora magro, começa a viver uma nova realidade e, se não for trabalhada uma terapia comportamental, começa lentamente um processo de desânimo. Forças contrárias ao tratamento passam a ser valorizadas pelo paciente nessa fase. Exemplos disso são comentários negativos da família, pressão dos amigos, férias de verão, festas, distância geográfica do médico, problemas financeiros, excesso de trabalho, etc. O paciente acha que pode se cuidar sozinho, mas, sem perceber começa a abandonar o médico, depois as caminhadas e por fim a própria dieta. Aquele período pequeno em que ele, sem tratamento, mantém seu peso serve de justificativa para ele não retornar ao médico… e , assim, a recaída está instalada.Alguns meses depois, com o paciente novamente obeso, o sentimento de culpa, remorso, depressão voltam e o paciente inicia o processo novamente de querer emagrecer.

Objetivos do Tratamento:

O principal objetivo do tratamento do paciente obeso é a aceitação do problema. Aceitar que o seu estilo de vida é que está lhe engordando. O paciente nega seu próprio corpo, não se aceita gordo e com isso, não aceita a sua realidade e passa a viver num mundo de sonhos, esperando uma solução mágica para seus problemas: Desde que essa solução não interfira no seu estilo de vida. Precisamos focalizar mais o controle da compulsão alimentar e o equilíbrio das vontades e necessidades do paciente do que somente emagrecer; caso contrário, ao emagrecer o paciente tem a sensação de objetivo cumprido e abandona o tratamento voltando a engordar.

É necessário informar ao paciente que a obesidade é uma doença lenta, progressiva e incurável, sendo imperativo um tratamento para a prevenção da recaída na etapa da manutencão do peso. O tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar composta por médico, psicólogo, enfermeiro, nutricionista, esteticista, assistente social e personal trainer. Um aspecto fundamental que deve ser enfatizado é a necessidade desse paciente participar de um grupo de mútua ajuda para obesos onde ele vai compartilhar suas experiências, forças e esperanças a fim de ajudar a si e a outros obesos a se libertarem das angústias do comer compulsivo . Esse enfoque de tratamento é chamado de “Compreensive Treatment Program”- Programa de Tratamento Abrangente, onde vários profissionais atuam no mesmo paciente com o mesmo objetivo.

O primeiro passo do tratamento é o desejo sincero do paciente de livrar-se do comer compulsivo, o que exige honestidade rigorosa, mente aberta e boa vontade .O obeso necessita aceitar que o seu modo de vida tem que ser modificado. O paciente deve ser estimulado a não fazer promessas irreais ( nunca mais irá engordar) e focalizar objetivos simples e atingi-los. “Não irei dar vazão à minha compulsão e irei me controlar somente hoje”.

Um plano simples e fácil de ser atingido é o de estabelecer duas metas para hoje: caminhar e jantar. Caminhando hoje, mesmo sem vontade, o paciente começa a colocar o programa em prática. E, ao jantar, ao invés de lanchar o paciente realiza o ritual de sentar-se à mesa e fica com a sensação de não ter que pensar mais em comida ( o que não ocorre quando ele lancha). O ato de jantar influencia o paciente a não beliscar, e, assim, não dá vazão à compulsão.

Os pacientes que com mais facilidade se mantém magros são aqueles que perderam grandes quantidades de peso ( 20 kg ou mais), pois foram os que mais sofreram com as angústias da obesidade e observaram uma melhora do seu estilo de vida mais significativa. Os pacientes que perdem até 6 kg, aproximadamente, apresentam mais recaídas de comportamento, pois, estão ainda na fase inicial da doença e a negação do problema é maior. Suas vidas não foram afetadas de forma tão dramática pela obesidade como que para os grandes obesos; não sofreram bastante a ponto de desejarem sinceramente mudar de vida.

Por fim, nós profissionais também temos que admitir a nossa impotência perante a obesidade e aceita-la como uma doença poderosa e passível apenas de controle, e não de cura. E, como esse controle depende principalmente do paciente, ao depararmo-nos com a recaída deste, nossa onipotência como médicos sofre e nos sentimos derrotados. Devido a isto, precisamos também de ajuda para lidarmos com essa doença e, desta forma, ajudarmos mais aquele paciente que volta ao nosso consultório novamente obeso.