h1

COMO AJUDAR ALGUÉM OBESO OU COM DISTÚRBIO ALIMENTAR

agosto 3, 2018

Se você ou alguém que você conhece sofre de um distúrbio alimentar, é importante procurar ajuda imediatamente. Familiares e amigos também podem ajudar.

Ao se aproximar de uma pessoa com um distúrbio alimentar, é importante falar de uma forma amorosa e não de confronto. Escolha um momento em que você pode falar com a pessoa em particular. Tente manter-se positivo, calmo, focado e respeitoso durante as conversas.

A pessoa pode negar ter um distúrbio alimentar ou pode ficar irritado e na defensiva. No entanto, é importante que você não desista. Ainda assim, saiba que você não pode forçar alguém a mudar. A decisão de recuperar tem que vir deles. Mas você pode ajudar, deixando claro que você vai continuar a estar lá para ele ou ela, com sua compaixão e apoio, sempre que a pessoa estiver pronta para enfrentar o problema.

Existem coisas que você pode fazer para ajudar, mas para isso é preciso ter certos cuidados como os que vou dizer a seguir.

O que fazer

  • Converse com a pessoa quando você estiver calmo e não frustrado ou emocional

  • Seja paciente e não-julgue

  • Procure informar-se mais sobre distúrbios alimentares

  • Oiça

  • Mostre simpatia e compreensão

  • Mostre que você se importa, pergunte com a pessoa se está sentindo

  • Sugerir que a ajuda profissional pode ser necessária

  • Incentivar procurar ajuda e oferecer-se para a acompanhar

  • Seja honesto

  • Mostre que você só quer o melhor para ele / ela

  • Lembre-se que a recuperação leva tempo e os alimentos podem ser sempre uma questão difícil

  • Ajuda a pessoa a ser paciente

  • Tenha compaixão quando a pessoa levanta questões dolorosas sobre os problemas subjacentes

  • Pergunte o que você pode fazer para ajudar

  • Seja flexível e aberto com o seu apoio

  • Incentive as actividades sociais que não envolvem comida

  • Incentivar todas as actividades sugeridas pela equipa de saúde e tratamento

  • Elogie a personalidade da pessoa, os sucessos, as realizações

  • Tente ser um bom modelo

  • Relembre a pessoa que há pessoas que se importam

  • Entenda que a pessoa não está à procura de atenção ou pena

O que não fazer

  • Acusar ou provocar sentimentos de culpa

  • Demanda mudanças de peso (mesmo que clinicamente se justifique para a saúde)

  • Coloque horários em recuperação

  • Dar mais ajuda do que você está qualificado para dar (como por exemplo fazer o papel de “médico”)

  • Tentar controlar a vida da pessoa

  • Colocar culpa ou criticar

  • Insistir que a pessoa coma cada prato na mesa

  • Convidar a pessoa para comer fora ou ir comprar roupa

  • Fazer do comer, comida, roupas, ou a aparência serem o foco da conversa

  • Não comentar a aparência

  • Tentar mudar as atitudes da pessoa sobre comer

  • Usar tácticas de intimidação para a pessoa ir para tratamento

  • Entrar em contacto com os médicos do paciente por trás de costas

  • Fazer promessas que não as possas cumprir (como prometer não contar a ninguém”)

Os distúrbios alimentares são um problema complexo, e questões alimentares e de peso são apenas os sintomas de um problema mais profundo. Mostre compaixão para com a dor e a confusão que essa pessoa está a sentir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: