h1

OS ASPECTOS PSICOLOGICOS DA OBESIDADE

junho 14, 2008

 

 

OS ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA OBESIDADE

DR HENRI FERNANDO BISCHOFF

Anestesiologista – CREMESC 6284 – CREMERS 18265

 

Mestrado em Educação – CAPES 2009

A obesidade é uma doença reconhecida pela OMS – Organização Mundial de Saúde-caracterizada pelo acúmulo excessivo de tecido gorduroso no indivíduo.

Variados métodos são utilizados para diagnosticar, classificar, estabelecer tratamentos e prognósticosda obesidade.A maioria destes métodos está baseada em critérios científicos e fisiológicos estabelecendo, na maioria das vezes, umtratamento baseado em dadosobjetivos, desprezando os fatores subjetivos que possam interferir nesses resultados.

O presente trabalho tem por objetivo traçar o perfil psicológico do obeso, seu comportamento compulsivo e , a partir disto, interferir efetivamente no tratamento desta doença.

O PERFIL PSICOLÓGICO DO OBESO:

O obeso típico ou obeso em potencial relata ao médico sua rotina diária e, inconscientemenete, relata um comportamento característico que se repete na grande maioria dos outros obesos.

1)Negação do próprio corpo

2)Racionalização do problema da obesidade

3)Projeção do problema da obesidade

4)Auto estima baixa

5)Carência afetiva

6)Vergonha

7)Exclusão de ambientes sociais

8)Ressentimento do passado

9)Raiva do presente

10)Medo do futuro

11)Fraca auto confiança

12)Desonestidade

13)Preguiça

14)Insegurança

15)Inveja

16)Auto piedade

17)Falta de perseverança no propósito

18)Imediatismo (resultados rápidos)

19)Extremismo ( executa regimes maiores do que os propostos)

O paciente obeso não gosta de alimentar-se pela manhã ( e ainda considera isso uma virtude!), come pouco no almoço ( come carnes e verduras), come pouco no trabalho e, no final da tarde e início da noite, ao chegar em casa , esse paciente desencadeia um processo compulsivo de ingesta de farináceos, doces, e outros alimentos que não caracterizam uma refeição equilibrada. Em geral esses pacientes se ocupam muito com os outros tentando ser bonzinhos , gerando mais ansiedade, auto piedade, estresse; culpando seus colegas e/ ou sua família pelo seu comer compulsivo. Os obesos são os mestres da auto justificação. Chegam no nosso consultório e dizem: “Doutor, não sei porque sou gordo… Eu não tomo café-da-manhã, almoço pouco e não janto!!! … O que posso fazer doutor? “

Esse processo compulsivo parece obedecer um ritmo auto determinado de acometer o paciente no período entre 16 às 21 horas em seu ambiente doméstico e não em ambientes do trabalho, estudo ou lazer. Observa-se, ainda, em pacientes do sexo feminino que esse processo compulsivo, preferencialmente, é seletivo, ou seja, o alimento não pode ser uma refeição única, mas sim, lanches e petiscos, pois isso alimenta ainda mais o comportamento compulsivo. Após essa “orgia alimentar” o paciente experimenta um prazer imediato e um remorso tardio. Sente-se culpado. Promete para si mesmo que no outro dia ele vai se controlar e, no outro dia repete tudo de novo… Mais culpa, mais auto estima baixa, mais ansiedade, mais compulsão. Círculo vicioso da auto obsessão compulsiva alimentar.

Na verdade, o paciente obeso não tem o conhecimento que o seu comportamento está determinado pela doença.Aquilo que ele acredita que é seu estilo de vida é repetido pela grande maioria da população obesa. Esse paciente está realizando diariamente o comportamento imposto pela doença compulsiva. Ao aprofundarmo-nos mais nesse determinismo pré-estabelecido constatamos, muitas vezes, que nosso paciente, ao nos pedir ajuda para emagrecer, está pedindo uma ajuda temporária, enquanto suas forças lhe permitem mudar de estilo de vida, até que o processo de recaída mine suas forças e ele passe a abandonar o tratamento paulatinamente. Parece que a “doença permite” a esse paciente, temporariamente, diminuir seus problemas relacionados à obesidade até que ele possa, novamente, voltar ao seu ato compulsivo de comer sem que isso lhe gere sentimento de culpa.

A Recaida:

Após um período breve de alguns meses em emagrecimento o paciente obeso, agora magro, começa a viver uma nova realidade e, se não for trabalhada uma terapia comportamental, começa lentamente um processo de desânimo. Forças contrárias ao tratamento passam a ser valorizadas pelo paciente nessa fase. Exemplos disso são comentários negativos da família, pressão dos amigos, férias de verão, festas, distância geográfica do médico, problemas financeiros, excesso de trabalho, etc. O paciente acha que pode se cuidar sozinho, mas, sem perceber começa a abandonar o médico, depois as caminhadas e por fim a própria dieta. Aquele período pequeno em que ele, sem tratamento, mantém seu peso serve de justificativa para ele não retornar ao médico… e , assim, a recaída está instalada.Alguns meses depois, com o paciente novamente obeso, o sentimento de culpa, remorso, depressão voltam e o paciente inicia o processo novamente de querer emagrecer.

Objetivos do Tratamento:

O principal objetivo do tratamento do paciente obeso é a aceitação do problema. Aceitar que o seu estilo de vida é que está lhe engordando. O paciente nega seu próprio corpo, não se aceita gordo e com isso, não aceita a sua realidade e passa a viver num mundo de sonhos, esperando uma solução mágica para seus problemas: Desde que essa solução não interfira no seu estilo de vida. Precisamos focalizar mais o controle da compulsão alimentar e o equilíbrio das vontades e necessidades do paciente do que somente emagrecer; caso contrário, ao emagrecer o paciente tem a sensação de objetivo cumprido e abandona o tratamento voltando a engordar.

É necessário informar ao paciente que a obesidade é uma doença lenta, progressiva e incurável, sendo imperativo um tratamento para a prevenção da recaída na etapa da manutencão do peso. O tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar composta por médico, psicólogo, enfermeiro, nutricionista, esteticista, assistente social e personal trainer. Um aspecto fundamental que deve ser enfatizado é a necessidade desse paciente participar de um grupo de mútua ajuda para obesos onde ele vai compartilhar suas experiências, forças e esperanças a fim de ajudar a si e a outros obesos a se libertarem das angústias do comer compulsivo . Esse enfoque de tratamento é chamado de “Compreensive Treatment Program”- Programa de Tratamento Abrangente, onde vários profissionais atuam no mesmo paciente com o mesmo objetivo.

O primeiro passo do tratamento é o desejo sincero do paciente de livrar-se do comer compulsivo, o que exige honestidade rigorosa, mente aberta e boa vontade .O obeso necessita aceitar que o seu modo de vida tem que ser modificado. O paciente deve ser estimulado a não fazer promessas irreais ( nunca mais irá engordar) e focalizar objetivos simples e atingi-los. “Não irei dar vazão à minha compulsão e irei me controlar somente hoje”.

Um plano simples e fácil de ser atingido é o de estabelecer duas metas para hoje: caminhar e jantar. Caminhando hoje, mesmo sem vontade, o paciente começa a colocar o programa em prática. E, ao jantar, ao invés de lanchar o paciente realiza o ritual de sentar-se à mesa e fica com a sensação de não ter que pensar mais em comida ( o que não ocorre quando ele lancha). O ato de jantar influencia o paciente a não beliscar, e, assim, não dá vazão à compulsão.

Os pacientes que com mais facilidade se mantém magros são aqueles que perderam grandes quantidades de peso ( 20 kg ou mais), pois foram os que mais sofreram com as angústias da obesidade e observaram uma melhora do seu estilo de vida mais significativa. Os pacientes que perdem até 6 kg, aproximadamente, apresentam mais recaídas de comportamento, pois, estão ainda na fase inicial da doença e a negação do problema é maior. Suas vidas não foram afetadas de forma tão dramática pela obesidade como que para os grandes obesos; não sofreram bastante a ponto de desejarem sinceramente mudar de vida.

Por fim, nós profissionais também temos que admitir a nossa impotência perante a obesidade e aceita-la como uma doença poderosa e passível apenas de controle, e não de cura. E, como esse controle depende principalmente do paciente, ao depararmo-nos com a recaída deste, nossa onipotência como médicos sofre e nos sentimos derrotados. Devido a isto, precisamos também de ajuda para lidarmos com essa doença e, desta forma, ajudarmos mais aquele paciente que volta ao nosso consultório novamente obeso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 78 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: